Jornada do Patrimônio

Jornada do Patrimônio

Data: 18/08/2018

Ação: Jornada do Patrimônio

Horário: Início às 13h (duração aproximada: 1h30) - retirada de ingressos com 30 minutos de antecedência. 

Local: Ponto de encontro na Área Externa do Museu do Futebol

Descrição: Proposta do evento, que fará um roteiro pelo Estádio do Pacaembu, é mostrar detalhes da arquitetura e contar como o espaço se moldou até se tornar um dos templos mais importantes do futebol brasileiro. 

Pacaembu - de casa de todos os esportes ao templo do futebol, e a várzea de todas as várzeas.

O tema conduz ao universo do culto aos esportes nos anos 1930 e 1940 com enaltecimento da força e perfeição física, dos brancos e arianos em relação a outras etnias. A época escolheu os Jogos Olímpicos como elemento máximo de propaganda do regime nazista, para levar a efeito as Olimpíadas de 1936, onde não se mediram despesas, esforços e tecnologia, constituindo-se nas mais caras e bem organizadas até então.  A arquitetura do Estádio Olímpico de Berlim, projetado por Werner March com capacidade para 100.000 espectadores, possuía uma monumentalidade, que faziam dele um verdadeiro templo, mas não apenas esportivo. Houve a introdução do revezamento da Tocha Olímpica, que permanece até hoje. Em tecnologia, foram pioneiros na transmissão televisionada nas cidades de Berlim e Leigal. A propaganda amparada no filme “Olympia”, de Leni Riefenstahl, documentário de linguagem revolucionária na representação dos esportes e que estabeleceu um padrão para filmagem nos locais de competições esportivas.

O complexo esportivo do Pacaembu segue a filosofia arquitetônica de Berlim, porém, o esporte que vai se afirmar é o futebol, no Brasil já então um esporte popular, profundamente ligado aos campos de várzea dos bairros proletários suburbanos. A várzea, propriamente dita, é um vale espraiado, enquanto o Pacaembu é vale de fato, mas em ambas as situações geográficas se constituem em uma abertura no disputado espaço urbano, sendo esse um dos aspectos desse tema. O outro é que a várzea era o celeiro de formação de quadros para os times de futebol. Vindo desta condição humilde lembramos aspectos da biografia de Leônidas da Silva, o Diamante Negro,  primeiro jogador a ter contrato milionário na história do futebol brasileiro e quando de sua estreia em 1942, levou o Pacaembu a superar sua lotação máxima, recebendo 72.018 espectadores.

Um destaque também para Maria Ester Bueno, maior campeã do tênis brasileiro, recentemente falecida. Três vezes campeã em Wimbledon, quatro do US Open, treinou muito tempo nas quadros do Pacaembu.

ABERTO

  • De terça a domingo das 9h às 18h (entrada até 17h)
  • Sujeito a alterações em dias de jogos no Estádio do Pacaembu.
  • Confira sempre a programação aqui.

FECHADO

  • Todas as segundas-feiras
  • 1 de janeiro
  • Quarta-feira de cinzas
  • 24, 25 e 31 de dezembro

ESTACIONAMENTO

  • Estacione na Praça Charles Miller com Zona Azul
  • Compre em postos de venda autorizados ou use aplicativos para celular.
  • Um Cartão Azul Digital (CAD) custa R$ 5 e vale por 3 horas na Praça Charles Miller.

MUSEU DO FUTEBOL

  • Praça Charles Miller, s/n – São Paulo/ SP – Brasil
  • Estádio Paulo Machado de Carvalho - Pacaembu
  • São Paulo, SP Brasil - (55) 11 3664-3848
  • contato@museudofutebol.org.br
  • OUVIDORIA
Copyright 2016 - Museu do Futebol - Todos os direitos reservados
Desenvolvido por: MW Way